FERROVIÁRIA 90 ANOS – Hailton trabalhou durante 40 na Ferroviária e deixou muitos amigos

Entrevista, texto e fotos: Jornalista João Paulo Ouverney

 

Observação: Entrevista feita com ele em 5 de outubro de 2010. Hailton faleceu no dia 13 de novembro de 2017, com 74 anos de idade e uma longa história de amor pela Ferroviária.

 

José Hailton Raimundo, 67 anos de idade e 36 anos funcionário da Associação Atlética Ferroviária, foi um dos funcionários mais antigo sdo clube e com muita história para contar. Filho de Benedito Raimundo e Judith Leite (ambos falecidos), ele tinha quatro irmãos: Sandra Maria, Jeferson, Marlene e Renata Aparecida. Ele havia se aposentado, mas continuou prestando serviços à Ferroviária, onde passou mais de metade da vida. Hailton era muito estimado por todos que o conheceram.

 

João Paulo Ouverney – Quando você ingressou no clube?

Hailton – Fui admitido em 1º de agosto de 1974.

 

JPO – Em que setores você já trabalhou?

Hailton – Já trabalhei em diversos departamentos como a tesouraria, bar, portaria da piscina e outros.

 

JPO – E os presidentes do clube nesse período, quem foram?

Hailton – Trabalhei com os presidentes Otávio César, Dr. Profeta, Hélio Camargo, Delvair Gonçalves, Eduardo Cunha San Martin, Valno Coutinho, Celso Púpio, Arthur Ferreira dos Santos e durante curtos períodos, com José Jabor e Carlinhos.

 

JPO – Como era o clube quando você entrou?

Hailton – Era pobre, só tinha o campo de futebol e bailes na sede alugada na avenida Cel. Fernando Prestes (onde hoje é o Excelsior). Depois saiu de lá e foi para o Bosque onde ficou um ano. Dois bailes de Carnaval foram feitos na Quadra Coberta.

 

JPO – E a sede própria, como surgiu?

Hailton – A sede começou a tornar-se realidade com o presidente Hélio Camargo Romero e Eduardo Cunha San Martin, presidente do Conselho Deliberativo. Foi conseguido o terreno atual e dado início à primeira parte da obra, o prédio de baixo onde atualmente funciona a academia.

 

JPO – E o ginásio de esportes, lanchonete e piscinas?

Hailton – O ginásio de esportes “Tobias Salgado” foi construído durante vários anos por diversos presidentes, uma obra muita cara. Depois veio a lanchonete, as duas primeiras piscinas (adulta e infantil) e alguns anos depois duas novas piscinas (também uma adulta e outra infantil).

 

JPO – E a academia da Ferroviária, quando surgiu?

Hailton – A academia foi um sonho concretizado do  presidente, Engº. Arthur Ferreira dos Santos. É uma das melhores da região, possui equipamentos de ponta, professores capacitados, muito elogiada por todos que a conhecem.

 

JPO – Quando o clube começou a crescer de verdade?

Hailton – Antigamente o clube era só para funcionários da Estrada de Ferro Campos do Jordão, só tinha futebol. Quando abriu para sócios de fora, principalmente com o plano de expansão para construir a sede própria, começou a vir muita gente. Depois da construção das piscinas, então, o número de sócios começou a aumentar cada vez mais.

 

JPO – Sobre o futebol da Ferroviária, você pegou a época boa?

Hailton – Não peguei a época do profissional, mas vi os grandes campeonatos amadores com famosas equipes como a da Ferroviária, Aisa, Corinthians, Confab e Industrial de Coruputuba, entre outros.

 

JPO – Como você vê a Ferroviária atualmente?

Hailton – É muito importante para a cidade, oferece tudo que as pessoas gostam, desde piscinas, academia, bailes, eventos sociais, escolinhas e parcerias na área de saúde e odontológica.

 

JPO – E como você se sente sendo o funcionário mais antigo?

Hailton – Sinto-me feliz por poder dar minha pequena parcela de contribuição ao clube, aos diretores, conselheiros, funcionários e sócios com quem convivi durante todos esses anos. Fiz muitos amigos durante esse tempo e isso foi o melhor de tudo.

 

Data nascimento – 25/03/1943 (falecimento em 13/11/2017)

Local – Pindamonhangaba

Signo – Áries

Lazer – Ir a restaurantes e pizzarias

Time – São Paulo F.C.

Vereador – O ex-vereador Alexandre Pio

Político exemplar – Laudo Natel

Empresário de sucesso – Mário Balarin