Histórico

Quando os funcionários das ferrovias Campos do Jordão e Central do Brasil, nos idos de 1930, decidiram fazer uma lista para arrecadação de fundos, destinada à compra de uma bola de “capotão”, para se divertirem após o expediente, não imaginavam que estavam dando o pontapé inicial para a existência da NOVA Ferroviária.

Em abril de 1930 consolidava-se a criação da associação, numa reunião realizada na sede social do então Clube Literário e Recreativo.

Dos “rachas” que se realizavam nos cantos de terreno da Vila Nair, a idéia evoluiu pelo entusiasmo e pela dedicação e em 1952 a equipe de futebol já disputava torneios e campeonatos da cidade. Para entrar no campeonato amador do Vale do Paraíba não demorou muito e, devido ao bom desempenho, passou a disputar amistosos no estado de Minas Gerais.

Com o tempo, o time de futebol foi batizado como “Águia do Vale”. Em 1952, ingressava no profissionalismo. Durante nove anos (de 1953 a 1961) o futebol profissional agitava os finais de semana na cidade.

Devido às dificuldades de se manter, apenas com a renda arrecadada nas partidas e uma ajuda de alguns amigos, além das mensalidades dos associados, a Ferroviária abandonou as disputas profissionais.

A primeira sede social, em espaço alugado, funcionou onde existia o antigo Basquete Clube. Isso, em 1964.

A inauguração da sede social provocou, naturalmente, o aumento de associados.

No início da década de 70, um novo grupo de esforçados diretores empreendeu nova arrancada, no sentido de provocar o crescimento da associação.

Num breve período de tempo registrou-se, também, a existência do “Recanto Verde”, uma espécie de sub-sede do clube. Pouco tempo depois, esse espaço dava lugar à idéia de se construir a sede própria da Ferroviária, o que se consolidou e hoje é um dos maiores patrimônios sócio-esportivos da região.